terça-feira, março 02, 2010
GK Chesterton sobre os meio-cristãos, os 'católicos' de supermercado, os semi-santos encalhados no Purgatório, e todo o tipo de vómito de Cristo.
"Não conseguem ser cristãos, nem conseguem deixar de ser anticristãos duma vez por todas. A atmosfera que respiram é, toda ela, de reacção: é uma atmosfera de amuos, perversidades, críticas mesquinhas. Continuam a viver à sombra da fé, mas perderam a luz da fé.
Ora, a melhor relação que podemos ter com o nossos lar espiritual é vivermos suficientemente perto dele para o amarmos; a segunda melhor, porém, é vivermos suficientemente longe para não o odiarmos . . . O pior juiz de todos é aquele que, hoje em dia, mais se presta a fazer juízos: é o cristão mal formado, que se vai transformando gradualmente num agnóstico maldisposto, enredado até ao fim numa batalha cujo começo nunca compreendeu.'

in O Homem Eterno, trad. Mª José Figueiredo, Alêtheia Ed.

'Conheço as tuas obras, que não és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca!' (Apocalipse 3, 15-16)

Nuno Fonseca
Asinus asinum fricat
posted by @ 7:55 da tarde  
10 Comments:
  • At 2 de março de 2010 às 20:45, Blogger MC said…

    Nuno,

    tu tem calma! A Igreja católica é também as pessoas. É também os ministérios. E o que por aqui vais derramando entusiasmado nem sequer é o critério do Magistério. Lê as cartas de Bento XVI e não encontras nelas o mínimo sinal do que aqui estás a defender.

     
  • At 2 de março de 2010 às 20:47, Blogger MC said…

    É uma desonestidade estares a pegar no pensamento de Chesterton e aplicá-lo aqui a pessoas concretas. Mesmo o pensamento de um homem como Chesterton tem de ter um contexto histórico.

     
  • At 2 de março de 2010 às 20:55, Blogger MC said…

    E estou a dizer isto para teu bem. Porque a mim passam-me ao lado quaisquer anátemas que mandes para me atingir.

    Vê-se que tens um problema de afirmação - não aguentas ser contestado.

    Não gostei que chamasses polícia ao Vitor. Por exemplo.

     
  • At 2 de março de 2010 às 21:00, Blogger Nuno Fonseca said…

    Pessoas específicas? Onde?

     
  • At 2 de março de 2010 às 21:14, Blogger Nuno Fonseca said…

    O 'pensamento' que estou a desenvolver? Simplesmente pus um excerto do Chesterton e dois versículos bíblicos a condizer.

    Se falas do que foi dito anteriormente sobre a contracepção, não me obrigues a vir buscar as declarações de Bento XVI sobre esta questão, que é óbvia a sua posição.

    A última encíclica faz questão de afirmar que o amor que não é fundado na verdade não é amor nenhum. A MC, porém, sabe que deu palmadinhas nas costas a uma pessoa que não só contradisse claramente o Magistério, como também insultou muita gente deste blog e a sua amiga Zazie inclusive, difamando-a noutros lugares da blogosfera. Por isso, não é a mim que deve pedir calma.

    Um post como este endereça as pessoas que também são a Igreja Católica, incluindo eu. A diferença está que alguns de nós sabemos que somos pecadores ao não obedecermos por vezes à Mãe; outros, porém, não têm desculpa quando recusam-se a chamar pecado o que sabem que é pecado.

     
  • At 2 de março de 2010 às 21:30, Blogger BLUESMILE said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 2 de março de 2010 às 21:32, Blogger BLUESMILE said…

    Caro Nuno:
    Por falar em erros que não se reconhecem, escreve-se "perversidade" e não "preversidade".

    Convém corrigires o corpo do texto, para salvaguardar a pureza da verdade...ortográfica..

    Claro que isto não passa de uma admoestação fraterna......

    Voltarei ao Chesterton, com mais tempo.

     
  • At 2 de março de 2010 às 21:45, Blogger Nuno Fonseca said…

    @BLUESMILE

    Resolvido. E nem precisei de dizer que a minha nuance interpretacional da ortografia me permite escrever a palavra daquela maneira.

     
  • At 2 de março de 2010 às 21:45, Blogger Nuno Fonseca said…

    Nem tampouco é uma questão de consciência.

     
  • At 2 de março de 2010 às 23:28, Blogger zazie said…

    Aproveitando a dica que nas caixinhas é tudo escrito à pressa mas na primeira página não.

    Também não se escreve "concerteza"- escreve-se com certeza.

    Esta é para quem tem o erro na primeira página do blogue.

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 
Um blogue de protestantes e católicos.
Já escrito
Arquivos
Links
© 2006 your copyright here