domingo, outubro 17, 2010
Do “mundo sensível” 3 – a redução galileana
Antes de compreender o próprio mundo como mundo da vida (Lebenswelt) – segundo a expressão de Husserl – convém abrir um parêntesis histórico. O mundo sensível é objecto de uma critica radical no início do século XVII. Esta acarreta, paralelamente, uma transformação na concepção tradicional do corpo. É a natureza sensível desse mundo, assim como dos corpos que o compõem, que é posta, brutalmente, em causa e rejeitada. Diversamente das modificações que afectam as grandes civilizações, e se estendem sobre longos períodos, resultando de uma multiplicidade de causas, o acontecimento decisivo, que constitui na história do pensamento humano, a desagregação da concepção ancestral do corpo, resulta de uma decisão intelectual. Tomada por Galileu, no início dos tempos modernos, podemos considerá-la como o acto proto-fundador da ciência moderna e, na medida em que esta vai doravante conduzir o mundo, de toda a Modernidade.

A afirmação categórica de Galileu é que, este corpo sensível que tomamos pelo corpo real – este corpo que se pode ver, tocar, sentir, ouvir, que tem cores, odores, qualidades tácteis, sonoras, etc. – é só uma ilusão, e o universo real não é composto por corpos deste género. É também por isso que o conhecimento do universo real não pode ser o conhecimento sensível considerado, desde sempre, pela Escolástica, como o Sol de todo o saber humano. Na verdade, o universo real é formado de corpos materiais extensos, e esta matéria constitui precisamente a realidade desses corpos e, de igual modo, a do Universo. É este corpo material extenso, provido de formas que se trata de conhecer, e o que é próprio de uma tal substância extensa é a sua delimitação por figuras, apresentando certas formas. Ora, existe uma ciência das figuras e formas puras, adaptada ao conhecimento dos corpos materiais extensos que compõem o universo real: é a Geometria. Ela é a ciência pura, que dá lugar ao conhecimento racional das figuras e das formas, porque em vez de apenas as descrever na sua facticidade, procede mesmo à sua construção ideal. De tal modo que as propriedades geométricas se tornam plenamente compreensíveis e necessárias. Uma necessidade a priori, a partir dessa construção, que desempenha o papel de foco de inteligibilidade. Ao conhecimento sensível dos corpos sensíveis, que dizer, às suas qualidades sensíveis, opõe-se assim, um conhecimento racional das figuras e das formas de corpos reais, extensos, do universo material da Geometria. Enquanto o primeiro dá apenas lugar a proposições singulares, o segundo constrói proposições necessárias, de validade universal e, como tal, cientifica.

Mas a decisão galileana de instaurar um conhecimento geométrico do universo material não procede apenas à fundação da ciência moderna. No plano da realidade, e já não do conhecimento, ela vai operar a substituição do corpo sensível por um corpo até aí desconhecido, o corpo científico. Porque o corpo material extenso, cujas figuras e formas são apreensíveis geometricamente, não é só o corpo inerte das “coisas”, mas é também o do próprio homem. E é isso que é novo, e que abre uma nova era fundada numa concepção inédita do corpo humano, e por consequência, do próprio homem. Assim nasce a pretensão, por parte da ciência geométrica da natureza material, de constituir, doravante, o verdadeiro saber do homem. E, correlativamente, a pretensão, por parte de uma nova técnica, também ela cientifica e material, em si estranha ao homem, de fornecer a verdadeira aproximação ao mesmo homem, de o procurar no mais intimo do seu ser, até no prazer, no coração do seu sofrimento ou do seu desanimo, da sua vida ou da sua morte.
Michel Henri por cbs

Etiquetas: ,

posted by @ 1:07 da manhã  
7 Comments:
Enviar um comentário
<< Home
 
 
Um blogue de protestantes e católicos.
Já escrito
Arquivos
Links
© 2006 your copyright here