quinta-feira, maio 14, 2009
Está nas vossas mãos, ó romanos
Ontem, um amigo meu que é Baptista, disse-me:

"A haver avivamento, só pela Igreja Católica"
e depois, juntando o polegar e o indicador
"Nós somos assim, pequenininhos".

Mais tarde, disse-me ainda
"Se muitos baptistas que eu conheço soubessem como é realmente a Igreja Católica na acção social, de certeza que se mudavam para lá num piscar de olhos."

Achei isto muito interessante.

JL
posted by @ 9:45 da manhã  
7 Comments:
  • At 14 de maio de 2009 às 10:28, Blogger Nuno Fonseca said…

    Concordo. Repara: se vamos centrar a nossa missiologia na acção social e não na sã doutrina, procurar paróquia romana é a melhor decisão.

    Como creio que a missão da Igreja é pregar o Evangelho como nos tempos apostólicos e a acção social é um ministério próprio que deve ser mantido por instituições para-ecléticas na boa tradição reformada, não me afecta.

    Mais: gente como essa só é Baptista na membresia. Confessional não é de certeza.

     
  • At 14 de maio de 2009 às 11:10, Blogger Joao Leal said…

    Eu acho que ele não estava a loigar as duas coisas.

     
  • At 14 de maio de 2009 às 11:42, Blogger Vítor Mácula said…

    Isso é grave, João... "pequenininhos" é muito parecido com o fermento no pãp, o sal nos alimentos ou a semente de mostarda na terra ;)

    A distinção entre Espírito e obras, ou doutrina e acção, tem muito de equivocado. Ou problemático, mais correctamente dito.

    abraço

    PS: o "Flatland" folheado às 11 da noite, pareceu-me ter qualquer coisa de estrondosamente sério e irónico; acho que vou interessar-me por este tipo ;)

     
  • At 14 de maio de 2009 às 12:10, Blogger Joao Leal said…

    Vitor,

    sim, a questão das semantes está em barda nas parábolas de Jesus.

    Quanto ao Flatland, o final ainda é melhor...

     
  • At 14 de maio de 2009 às 13:09, Blogger Pedro Leal said…

    Não concordo com o título, claro.
    Sim, a regeneração da igreja católica-romana seria um grande empurrão para a tal “avivamento”. Como igreja maioritária, o impacto social será sempre maior do que o dos tais “pequenininhos”. Mas daí a até depositar a esperança nessa regeneração… Como diz o Nuno, a questão tem a ver com fidelidade à sã doutrina, não com quantidade.
    (Quanto às obras sociais, podemos usar o “pequenininhos” a favor dos evangélicos. A média nº obras sociais / nº de crentes é favorável aos evangélicos (ou baptistas, como queiram). :)

     
  • At 14 de maio de 2009 às 23:14, Blogger MC said…

    "A distinção entre Espírito e obras, ou doutrina e acção, tem muito de equivocado. Ou problemático, mais correctamente dito."

    Atentem nesta expressão do Vítor que ela é muito séria.

    É que se pegamos no Cristo, coisa que não se lhe pega é o "ou" "ou". Nós é que fomos criando essa treta de divisões.

    Das divisõezinhas confessionais, então, abstenho-me.

     
  • At 15 de maio de 2009 às 11:48, Blogger Nuno Fonseca said…

    Claro que criar falsas dicotomias é errado. Pode-se ter acção social e doutrina; discipulado e caridade.

    O que não se pode fazer é praticar acção social e dizer que ali está toda a Palavra; afirmar que se cultiva o discipulado e fazer crer que este se resume à caridade.

    Se a falsa dicotomização é estagnante, a omissão de ministérios é destruidora.

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 
Um blogue de protestantes e católicos.
Já escrito
Arquivos
Links
© 2006 your copyright here