sexta-feira, outubro 12, 2007
então niguém fala aqui em Fátima que faz amanhã 90 anos?
Pois isso parece-me mal. Por isso vou repescar material duma discussão que tive há uns anos, na leva de Maio, precisamente com o Pedro Leal:

Reparem naquela senhora de 57 anos que vem de S.Pedro do Sul. É gorda essa senhora e tem umas varizes monstruosas e uns pés disformes que lhe transbordam dos sapatos cambados. E é ignorante, coitada, nem a 4ªclasse tem. O marido morreu-lhe em França, há 15 anos, nem chegou ela a perceber de quê. Deixou-lhe apenas a casita, por acabar, a pensão que recebe, dois filhos que já se piraram e um outro que, pobrezito, fica todo o dia a babar-se numa cadeira de rodas que já nem roda. E deixou-lhe também dois sogros que já nem se levantam da cama se é que aquilo se pode chamar cama. A senhora, coitada, já nem pensa nem chora, só reza à Santíssima Nossa Senhora das Dores, amiga e protectora dos que sofrem e que a espera em Fátima neste mês que é Dela. Reza também aos beatos Francisco e Jacinta que morreram tão novinhos, coitaditos, mas foram ter com a Nossa Senhora e o Menino. E a senhora anda e anda pela estrada fora com outras senhoras iguais a ela. Anda e reza e canta ladaínhas foleiras e pueris. E tudo isto para que os dois filhos, aqueles ingratos que se foram embora, deem finalmente notícias e para que o mais novo, coitadinho, fique mais compostinho e que os outros dois tomem conta dele e dela quando tiver de ser e para que os velhotes possam depressa ir ter com Deus. E, se puder ser, para que não lhe doam tanto as pernas e que consiga finalmente a consulta no médico por causa daquela maldita dor no peito que lhe vem à noitinha. E para que vá havendo sempre pão à mesa para os quatro lá de casa. A boa senhora, desta vez, leva também uma encomenda para a Virgem Maria Auxiliadora feita pela vizinha da rua de baixo que, coitada, já nem sabe como se há-de haver com os quatro filhos, todos eles metidos naquela coisa da droga e que nem a deixam saír de casa e lhe batem e a roubam.
E é por todas estas intenções que a senhora se vai para Fátima, este ano como nos anteriores, para que Nossa Senhora, que foi mãe de Deus lhe diga a Ele para a ajudar a ela que tanto precisa, e louvado seja o Senhor, nosso Pai e Filho e Espírito Santo amen.

Pois eu cá nunca fui peregrinar a Fátima. Porque a mim, Fátima nada acrescenta à minha esclarecida Fé. A mim, Fátima e o seu kitsch e os seus vendilhões de insignificâncias beatas, ofendem o meu sentido estético e a pureza da minha espiritualidade. Mas nunca me fiz à estrada sobretudo porque para mim nunca houve necessidade.
Por isso não me atrevo a olhar com dureza os milhares de peregrinos que vão ali negociar Graças de Deus em troca do seu sofrimento (Pedro dixit). Toda aquela gente faz uma coisa com que não me identifico mas sobretudo uma coisa que eu não seria capaz de fazer. Aquilo é gente que sofre e que é imensamente digna no seu sofrimento em vez de ser orgulhosa, como eu o sou. A sua Fé pode ser pouco esclarecida, um pouco grotesca até, mas é uma enorme Fé no Deus em que acreditamos. E estou certo que Ele se compraz naquela gente, reconhece a sua grandeza e se apieda das suas dores.
josé
posted by @ 10:06 da manhã  
7 Comments:
  • At 12 de outubro de 2007 às 12:02, Blogger Scott said…

    Mas será realmente fé? Ou melhor, que tipo de fé? Deus não é uma máquina de vendas e a sua misericórdia não é uma bebida qualquer que se pudesse comprar. É de graça e, por definiçaõ, não merecida.

    Não pretendo fazer pouco do sofrimento da tal gente,antes pelo contrário. A situação até piora porque isto não me parece ser fé. A actividade é mais parecida (para mim) com uma tentativa de manipulação para que Deus faça a nossa vontade em vez de procurarmos a Sua. Gastam-se as energias numa actividade enganadora e ainda as pessoas continuam a sofrer. Cá para mim aquilo é pior do que apenas sofrer.

     
  • At 12 de outubro de 2007 às 13:26, Anonymous Anónimo said…

    Pois, José, lembro-me bem dessa, e de outras, troca de comentários. Nos tempos épicos dos blogues (pareço mesmo um veterano a falar…:))
    Quanto ao post, e se bem em lembro, disse-te na altura o que digo agora. Que a minha revolta, e a dos evangélicos em geral, não vai contra os peregrinos, porque a questão do grau, da verdade ou da mentira (quanto ao objecto), da fé diz respeito a Deus, Ele julgará. A minha indignação vai direitinha para os que, conhecendo as Escrituras, no sentido de as terem disponíveis e a até as citarem, induzem activamente as pessoas no erro (que o Scott explica) ou são cúmplices, por omissão.

    Pedro Leal

     
  • At 12 de outubro de 2007 às 13:34, Blogger Hadassah said…

    O ponto de vista do Scott está muito bom.

    "A actividade é mais parecida (para mim) com uma tentativa de manipulação para que Deus faça a nossa vontade em vez de procurarmos a Sua."

     
  • At 12 de outubro de 2007 às 15:33, Blogger MC said…

    "Aquilo é gente que sofre e que é imensamente digna no seu sofrimento em vez de ser orgulhosa, como eu o sou."

    Subscrevo inteiramente estas palavras do José. Parece-me perceber o que está por trás delas. Conheço e identifico em mim essa atitude.
    Mas..a dignidade que reconhecemos nessas vidas sofridas, não nos deve demover de:

    1ª - Dizer uma, duas, mil, dez mil vezes que Deus não quer, não se compraz com o sofrimento. (A questão da penitência aliada à mensagem de Fátima é para mim causa de escândalo. Vamos lá ver, pode ter a ver com uma determinada "piedade e vivência cristã", mas não é evangélica. No Evangelho vemos Jesus a apelar e libertar do sofrimento. Embora ele (sofrimento) permaneça um mistério e seja inerente à nossa vivência humana).

    2º - O respeitar a liberdade e a dignidade no sofrimento, não nos pode inibir de procurar mudar as estruturas causadoras de sofrimento. Jesus teve o seu cireneu. Nós somos convocados a ser cireneus uns dos outros.

    3ª - Compreendo que a Igreja Católica em oposição ao individualismo opressor e galopante das sociedades, proponha e exalte a penitência, o sacrifício. A uma posição extrema, tendemos sempre a retaliar com igual força. Mas o sacrifício que nos é pedido no Evangelho é para suportar a cruz de Cristo. E ela é salvadora e redentora.

    4º - Deus não quer holocaustos, quer corações convertidos. Que aos sacrifícios físicos, corresponda a respectiva mudança de coração. Quer se rume a pé direitinho a Fátima, quer se fique no sofá a observar, que se tenha consciência de que as duas atitudes se cruzam.

     
  • At 12 de outubro de 2007 às 17:05, Blogger David Cameira said…

    A penitência queagrada a DEUS é o arrependimento dos corações que deixam a sua justiça própria e se voltam para a justiça de DEUS

    " 1 - Ao dizer: " fazei penitência ",Mt 4.17, o nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo quis que toda a vida dos fieis fosse penitente [ com quebrantamento de coração ]"

    Martinho Lutero, 1ª das 95 Teses

    Mesmo sem ser católico, a mim custou-me bastante que a coisa mais BÍBLICA hexistente no santuário de Fátima, um pórtico gigante com a seguinte inscrição bíblica: " EU SOU A RESSUREIÇÃO E A VIDA, QUEM ME SEGUE NÃO ANDARÁ EM TREVAS MAS TERÁ A LUZ DA VIDA " ( aliás até atravessado pelo Papa João Paulo II no jubileu do ano 2000 ), nem sequer ter sido removido de lugar mas, por e simplesmente, ter sido derrubado

     
  • At 12 de outubro de 2007 às 19:56, Anonymous Anónimo said…

    Já repararam que Fátima está vazia? Não esiveram lá mais de 20 mil pessoas (a igreja leva 9 mil e coube praticamente tudo lá dentro). Para quem esperava 200 a 300 mil não está nada mal...

     
  • At 15 de outubro de 2007 às 12:39, Blogger cbs said…

    Já repararam que Fátima está vazia?
    é mesmo caro anónimo?
    de facto, toda a gente sabe que a principal característica de Fátima é o vazio de gente.
    Aquilo, de facto, é um ermo, lol

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 
Um blogue de protestantes e católicos.
Já escrito
Arquivos
Links
© 2006 your copyright here