domingo, setembro 16, 2007
Orelhas Pós-Modernas Comicham. Relativamente.

'Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina. Mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências. E desviarão os ouvidos da Verdade, voltando às fábulas' (2Tim4:3/4).

Nuno Fonseca

[Post Scriptum: Na mesquita de Lisboa, não espiritualmente longe do Martim Moniz, o pacifista tibetano vergou o joelho e adorou Alá, junto com os mais maometanos adeptos de caril e terrorismo, que então, de testa sobre o solo, frente ao Este, louvaram a sua terra prometida. Que ou é Meca, ou o Inferno.]
posted by @ 11:33 da tarde  
79 Comments:
  • At 17 de setembro de 2007 às 01:12, Blogger zazie said…

    Que raio de anormalidade é que isto quer dizer?

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 10:13, Blogger CC said…

    Quando chegares ao Paraíso, Meu caro Nuno, vais querer sair de lá, por causa das más companhias.

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 13:28, Blogger João Leal said…

    A Religião pode-se prestar a estas coisas.
    Admiro muito as pessoas que têm a faculdade de citar um texto de há dois mila anos e condenar ao inferno biliões de pessoas.

    Uma maravilha da técnica religiosa, este post, na sua certeza da danação eterna do outro e, quase que se vê, alegria por se ter o pirilau maior do que o outro.
    "Eu é que tenho razão!", a fazer pirraça ao próximo.

    Espero que o Nuno nunca encontre à frente um muçulmano que, baseado no que saca do Alcorão, lhe dê um tiro na testa.

    Mas isso não acontece, porque o modo religioso do Nuno é fácil. É de cá de Portugal, terra de brandos costumes.

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 14:30, Blogger samuel said…

    Em que altura da vida de "estudos religiosos" e por que raio de acidente é que um indivíduo fica assim uma amálgama indefinida de ignorância, racismo, xenofobia, fundamentalismo religioso e genericamente, total desprezo pelos outros?

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 14:33, Blogger zazie said…

    Ora bem, João Leal. E para fazer manguitos a terroristas à frente de um monitor até podia ter pedido à avózinha rambo.

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 14:37, Blogger zazie said…

    Samuel,

    Deve ter sido quando faltou alguém que lhe desse uma boa lambada no trombone.

    De qualquer forma, uma coisa é verdade. Lá no Paraíso tem muitos founding fathers idênticos.

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 14:39, Blogger zazie said…

    Ainda assim, é das tais coisas. Temos de fazer bem as contas.
    Enquanto grafita estas merdas por aqui, não se mete na droga nem mata na estrada.

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 18:24, Blogger Nuno Fonseca said…

    João, Samuel e Zazie:

    Agradeço sempre que me repreendam para me chamar à razão e amo quem mo faz (Pro9:8), mas pela vossa linguagem abominável aos ouvidos de Deus e os vossos julgamentos de carácter à distância, apenas demonstram os vossos frutos.

    Sou humilde perante o Senhor e não busco a submissão intelectual ou espiritual do outro, pois sei que nada sou enquanto mero homem e só o que a Palavra diz ser o Caminho é o que sigo, por Graça de quem mo desbravou.

    Lutarei para que não tenha sobre mim a culpa de não obviar o que é biblicamente errado aos demais mortais, quando estes encorrem nos caminhos da morte.

    Dalai Lama é um falso profeta, tal como todos os outros que veneraram Meca naquele templo pagão, e embora não os condene à danação eterna como dizem que faço, jamais posso assegurar à luz da Escritura que idólatras herdem o Reino (Rev22:15).

    Perdoem-me, sim, que o faça com humor.

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 18:35, Blogger João Leal said…

    Cá para mim, o Nuno é um verdadeiro herói bíblico, tal a devoção à escritura. E,depois, aquele 'não sou eu que acho, é a Biblia que mo diz...'...um clássico, meus senhores, um clássico!
    Grande Nuno!

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 18:39, Anonymous Anónimo said…

    Este Nuno Fonseca mudou de medicação?

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 19:03, Blogger zazie said…

    É no que dá o contacto directo.

    Ainda há dúvidas?

    ahahahhaha

    De qualquer forma, ele lá sabe quem é herege e quem é terrorista.

    Para o primeiro tem a pomba bíblica que lhe segreda ao ouvido; para o segundo, quem terá? será o "Busho" que lhe sai da boca?

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 19:05, Blogger zazie said…

    Por onde anda o Pedro Leal?

    Tem aqui uma boa explicação para o tal autismo que lhe tentei explicar.

    E que não se resolve dentro da Igreja. Porque este autismo também não se limita a viver dentro da sua igreja.

    Não, este autismo à rambo, vem cá fora, à sociedade, e depois dos julgamentos que faz, com base na tal comunicação directa, volta para dentro e diz que até lhe foi a Bíblia que ditou.

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 19:08, Blogger zazie said…

    Ele sabe que o Lama é um falso profeta. Foi no contacto directo que teve a prova. E sabe que todo o islâmico do Martim Moniz, é um terrorista em potência.

    E nós, que não conhecemos o Nuno de lado nenhum, ficamos com algum indicador que não seja as duas coisas?

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 19:11, Blogger zazie said…

    As duas coisas à import-export do Martim Moniz: um lunático de um pastor-rambo de fancaria

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 19:15, Blogger samuel said…

    Caro Nuno Fonseca
    Dado o relativamente longo afastamento, tinha-me esquecido de que o Nuno é mesmo assim...
    Só pelo privilégio de ler esse tipo de "fraseado" que envergonha qualquer músico de jazz e as citações bíblicas, sempre tão acertadas, retiro a minha "linguagem abominável aos ouvidos de Deus" (presumo que Deus pessoalmente lhe tenha dito o que é e não é abominável aos seus ouvidos), recosto-me na cadeira e disfruto do espectáculo que é sempre a sua peculiar espiritualidade e congruência de argumentos.
    Sobretudo agora que ainda não recomeçaram os "Gatofedorento" e o resto da programação é a tristeza que se vê, as suas tiradas são uma benção.
    Qualquer pessoa que demonstre não ter a menor ideia do conceito de OUTRA RELIGIÃO, ou OUTRA CULTURA ou qualquer coisa que não seja exactamente igual ao que ela pensa ou acredita, é um verdadeiro mistério. No seu caso, como voçê mesmo parece querer ("Perdoem-me, sim, que o faça com humor"), verdadeiramente divertido.
    Bem haja!

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 19:23, Blogger samuel said…

    ah, e não vale a pena perder tempo a argumentar que "bênção" tem acento circunflexo e "você" não tem cedilha, pois isso toda a gente sabe, além de que não tem a mínima piada.

     
  • At 17 de setembro de 2007 às 23:45, Blogger zazie said…

    toma lá e não digas que não gosto ti.

    http://i19.photobucket.com/albums/b159/panotea/pastor-rambo.jpg

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 01:21, Anonymous Anónimo said…

    zazie

    Se achas que é autismo considerar todos os muçulmanos terroristas (e, já agora, apreciadores de caril) concedo que ao Nuno serve a carapuça. Eu, que não o conheço pessoalmente, acho que isso nasce mais do “entusiasmo” verbal (e esse “entusiasmo” seria por certo corrigido se fosse pronunciado na igreja). Porque quanto ao resto não há muito a dizer. A citação bíblica adequa-se à situação e as convicções do Nuno são as minhas e das muitos evangélicos: Jesus Cristo é o único caminho para Deus e, em consequência, para a salvação e, sendo assim, o Dalai Lama e Maomé são falsos profetas; uma vez que Jesus Cristo está vivo, e eu também, é possível existir uma relação pessoal entre os dois; a Bíblia é o melhor guia para o tempo em que andamos por aqui.

    Pedro Leal

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 02:03, Blogger zazie said…

    Pedro,

    tu não percebes nada. O Nuno é uma "figura de estilo", tal como tu. Não vos conheço, nada há aqui de pessoal. Nem sequer me ofendi ou levei minimamente a sério as maluqueiras dele.

    Como disse o Samuel, creio eu, vivemos num país de brandos costumes. Nem há por cá nenhuma variante de muçulmanos com espírito terrorista, nem fanáticos evangélicos da mesma ordem.

    Mas a questão teórica mantem-se. Quando se chega ao ponto de se intrometer na sociedade e na história com absoluta ignorância e apenas sacando de palavras decoradas da Bíblia, isto é fanatismo. E é igual seja por quem for.

    Quando, com a mesma ignorância, se fala do buda como falso profeta, ou o Inferno de Meca a par do terrorismo de quem tem religião diferente da sua, estamos, mais uma vez, perante absoluto fanatismo.

    E, tu só negas este comportamento se fizeres o mesmo. Se remeteres a sanidade mental para o tipo de religião que se traz na lapela.
    Sendo que esta é à prova de bala porque foram iluminados, são profetas e tudo o que possam fazer ou dizer em nome dela é escolha divina.

    Claro que a igreja- a v., pelos vistos não serve para nada. Porque não encontras estas taras em Portugal em nenhum católico

    E mais, até tenho dúvidas que as encontres, assim formuladas, por algum islâmico. A menos que seja totalmente analfabruto e mecenário de qualquer outra seita.

    O afastamento da sociedade é este.

    Porque eu acharia que nem valia a pena, se estivessemos perante um místico, encerrado em qualquer mosteiro, fora do mundo que lá achasse que mais nada existe ao cimo da terra porque a terra e o mundo nem lhe interessam.

    Mas este Nuno é bem terreno. Tem todos os tiques de gangue suburbano e a sorte até foi dar para religião. Ainda assim, por muito tarado que um evangélico possa ser, o perigo social há-de ser nulo.

    Agora que é sintomático, é.

    Para se encontrar paralelo na Igreja Católica, tinhas de recuar uns bons 200 anos.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 02:14, Blogger zazie said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 02:18, Blogger zazie said…

    O Dalai Lama é falso profeta porquê?

    Que puta de profecia é que ele fez para vos chatear?

    O Dalai Lama é exemplo de um outro autismo absolutamente inofensivo. Não profetizam, vivem lá no Nirvana e acabou-se. Não fazem mal a uma mosca nem destilam merdas destas de embirração pelas pessoas.

    Porque v.s falam das pessoas como se tudo se passasse lá nas alturas ou nos infernos. Os bons têm de ser exclusivamente os tais que adoptam o Cristianismo e fazem dele uma tara fanática e os maus é tudo o resto.

    Sendo que, com este critério, como disse o CC com aquela brilhante boca, nem que fossem para o Paraíso conseguiam suportar a companhia.

    E fazem isto apenas por saberem de cor um livro com 2 mil anos. E faltares tudo o resto pelo meio.

    É mesmo assim. Não é a decorar um livro que se chega a místico ou a eleito. E muito menos a excluir e atacar os que se decoram outros, nem se vangloriam tanto.

    Isto às tantas já nem é religião. É coisa de ciborgs com disco-rachado. Só sabem vomitar aquelas passagens que lhes meteram no programa. Nem pensam.
    .......

    Uma pessoa lê isto e só se lembra dos outros fanáticos dos guardas vermelhos. Com outra cartilha na mão e a dizerem o mesmo.

    Que diabo. É por estas e por outras que até se percebe que o ateísmo também há-de ser necessário. É capaz de ser para contrabalançar como efeito de espelhos.
    Para tirar a loucura da religião e mostrar que fora dela o fanatismo é idêntico. É pena é v.s só falarem uns com os outros. Por isso é que essa igreja não basta. Fica tudo fechado na mesma.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 02:27, Blogger zazie said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 02:29, Blogger zazie said…

    E nem vou levar a coisa para a política. Porque então é que era lindo. O Dalai Lama é um herege, um falso profeta mas o v. Bush é que não vos sai da boca.

    Quer-se dizer. O homem até vem cá com uma causa que é social e política e estas avantesmas que passam a vida a bater palmas pelos crimes do Bush estrebucham com o Lama?
    Por motivos de crença diferente?

    O caraças. É mas é tudo filho de Abril como diz o outro. Só pode. Ia jurar que nem evangélicos destes existia há uns 40 anos. É mais uma seita dos filhos da democracia.

    É que nem os maoistas dantes se atreviam a falar no Tibete...

    Agora vêm-me estes evangélicos mais os jacobinos com merdas.

    Uns por causa da puta da democracia. Porque era um estado teológico e mais não sei que tretas. E porque o nosso estado é republicano e laico.
    Estes, são hiper-crentes suburbanos e enxofram-se porque o Lama é falso profeta. A Brandoa já tem os profetas com patente registada.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 09:29, Blogger João Leal said…

    Acerca da ambivalência das citações na ponta da língua. Ou como a Palavra de Deus pode servir para muita coisa diferente.

    Em Êxodo 20:10 "Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas."
    Em Mateus 5:17-19 "Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido. Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus."
    Por fim, "O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado.", disse Jesus em Marcos.

    Por um lado, pode-se dizer que quem fizer um trabalho qualquer ao sábado (ir às compras, limpar a casa ou ir para o emprego) está a infringir a lei de Deus, manipulado pelo Diabo.
    Por outro, Jesus reafirma que sim, que a Lei é para cumprir e que quem não o fizer, vai ser chamado menor no Reino dos Céus ( a ideia de uma hierarquia celestial também é surpreendente...), ou seja, quem não cumprir a observação do sábado não pode ser um bom cristão ou um filho de Deus obediente.
    Por último, Jesus diz que, afinal, a lei foi feita para o Homem (o sábado) e não o Homem para a lei. Ou seja, a necessidade de cumprir a lei, ou a Palavra de Deus, ou a Bíblia, é um bocado relativa e existe para SERVIR o Homem. Logo, o Homem está acima da Lei.

    CItando, é exequível, não é? Em que é que se fica? É por isso que não vejo necessidade, ou que Deus nos peça, para sermos tão radicais. Podemos QUERER ser radicais e fundamentalistas, isso até nos pode dar muito jeito porque nos faz sentir especiais, mas tenho muitas dúvidas que seja o que Deus quer de nós.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 09:30, Blogger Marco said…

    Pedro Leal,

    Jesus Cristo é o único caminho para Deus e, em consequência, para a salvação e, sendo assim, o Dalai Lama e Maomé são falsos profetas

    Quando foi que o Dalai Lama afirmou ser um profeta?

    Jesus Cristo está vivo

    Provas?

    a Bíblia é o melhor guia para o tempo em que andamos por aqui.

    Quem o diz? A própria Bíblia?

    -----
    As minhas questões podem parecer uma provocação. Não são para serem respondidas, mas apenas para perceberem como o discurso religioso necessita de uma sólida base racional.

    Já agora só mais um comentário: essa pretensão de possuir o exclusivo da verdade religiosa, nem o Papa Bento XVI a reivindica.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 09:35, Blogger João Leal said…

    Sintetizando: condenar, escudado na citação, como quem é responsável por por os outros nos eixos segundo mandamento divino, não me parece muito correcto. O Dalai Lama esteve numa mesquita reunido com cristãos e muçulmanos? Ainda bem para eles. A Biblia na ponta da língua dos fundamentalistas, ao que parece, nunca o permitiu. Enquanto os fundamentalistas permanecem fechados e não conhecem o próximo, aquela malta deve ter tido uma boa experiência. E duvido que vão todos para o Inferno, mas isso não me diz respeito.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 11:30, Blogger zazie said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 11:35, Blogger zazie said…

    Passando à frente dos versículos decorados (que apenas me parece que deve ter um terrível efeito sendo praticado em muito jovem), vamos lá ao que importa. A vinda do Lama a Portugal, a forma como o estado português se comportou e do que se lembrou o Nuno de escrever a propósito deste acontecimento.

    E saliento. Escreveu-o no seguimento deste acontecimento. Pelo mediatismo da questão. Não se tratou de estarmos para aqui a debater, em termos teóricos, as diferenças das religiões. Se assim fosse ele nem se lembrava. Ele anda no mundo. Vê tv, vai ao cinema, não tem sacrifícios de consumismo nem impedimentos da carne- não é um padre católico.

    Pois bem. O Lama veio cá e o acontecimento revistiu-se de hipocrisias políticas. Porque se veio por uma questão social, a intolerância face aos budistas, vítimas de outro fanatismo que tudo lhes destruiu, a verdade é que o governo sabe que uma mão lava a outra. Da boca para fora é tudo democracia- o tal novo dogma jacobino, mas está quieto que as relações entre estados importantes é que contam e não queremos chatices.

    Como bem se disse, se fosse um soba africano corrupto e torcionário, ou outro idêntico, desde que coberto pelas tais "relações diplomáticas" não só entrava na agenda como, na volta, até era mais um que lá levava um presentinho de alguma preciosidade histórica (das que foram saqueadas pelos jacobinos e que agora se chamam trocas de ofertas de Estado).

    O Nuno o que fez, foi passar por cima de tudo isto, nem tocar em nada que importaria e ter reacção primária e tribal:

    Uma mija para a parede, uma fita atada na testa, pinturas de guerra e vá de desatar aos urros: xôôÔ! fora! é falso profeta, o único verdadeiro é nosso. ´XôÔÔ! Fora! ainda por cima é herege que se dá com outros hereges: comeu arroz de monhé com mouros e ainda foi rezar virado para Meca com aqueles que gostam do terrorismo.

    E depois, para explicar a bondade desta incursão à Rambo da Brandoa, o que é que fez:

    Citou os versículos. Da mesma forma que qualquer fanático islâmico faria se fosse noutro lugar que por cá nem os há.

    E como explicou o moderado do Pedro Leal esta reacção que eu cataloguei de prova do autismo:

    Disse que não. Que era a verdade Bíblica e que sabe que é a verdade porque Cristo está vivo.
    Apenas disse que o arroz e o terrorismo é que não vêm lá.

    Mas explicou que nem havia problema porque estas coisas só são ditas cá fora, para a sociedade, para o mundo. Se o Nuno estivesse amarrado dentro da igreja não o tinham deixado.

    Entende-se. O mundo é a igreja, ainda que eles nem vivam lá dentro. Como vivem os outros em mosteiros.

    E entende-se a visão política. Tudo o que sai da boca com citação correcta dos nossos versículos é bom. Bush cita bem, logo Bush é bom.

    O que as pessoas fazem na prática é secundário- o servo arbítrio é isto- os nossos puros são os eleitos.

    Qual a diferença entre este discurso e o discurso jacobino da esquerdalhada formatada com outros versículos que também só são aferidos por petição de princípio?

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 12:12, Blogger Nuno Fonseca said…

    João:

    Nada há de relativo quanto ao cumprimento da lei. Ao passo que é óbvio que se a procurares no VT compreenderás obedecer tal e qual foi ordenado pela boca de Moisés, no NT é-nos obviado que toda a lei se cumpriu com Jesus, pois nenhum homem jamais o faria, e quando o Cristo disse na Cruz 'Está consumado' (Jo19:3), o Senhor quis dizer exactamente isso. Por isso:

    'Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão' (Gal 5:1).

    A parte da lei que temos que ainda cumprir, não subentende mérito humano algum na expiação do pecado:

    'Na verdade pareceu bem ao Espírito Santo e a nós, não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias: Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá' (Act 15:28/9).

    Mas serve o Homem para a aceitação fiel da Graça de Jesus, ou seja, pela fé no único Deus verdadeiro (Jo3:16; 17:3) e do sacrifício de Jesus que cumpriu o aliança de Moisés uma vez para sempre (Heb8:13; 9:12).

    Da mesma forma permanecem os 12 mandamentos, entre os quais se conta:

    'Não terás outros deuses diante de mim' (Exo20:3).

    E a advertência:

    'Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim (Jo14:6)'.

    Assim, todo o profeta que negar que o Filho é único caminho para chegar ao Pai é falso. Ou se está com Jesus, ou contra Jesus (Mat12:13).

    Se ainda há entre nós, neste blogue quem duvide que a Bíblia é a Palavra de Deus, faça o favor de não se chamar cristão.

    Aos relativistas também se agradece que não mais aqueçam as cadeiras da igreja.

    Mais sobre a infabilidade da Escritura num post dedicado ao João Leal.

    ----------------------------------

    Zazie:
    Essa obcessão com o Bush tem que a acabar. O homem é casado.
    O anti-americanismo também já passou de moda, junto com as calças à-boca-de-sino.

    ----------------------------------

    Outros:

    Os evangélicos não têm a presunção e muito menos a heresia de se declarar como a única igreja cristã verdadeira, sabendo que a Palavra não declara uma só igreja, senão a escolhida por Cristo, e não pelos homens, sublinho: não pelos homens.

    Agora, não se advoque mais o diabo e não se tome parte das religiões e filosofias do Mundo 'just for the sake of argument'. Crêem no Dalai Lama ou no budismo, ou no islamismo? Não. E Deus vos abençoe por isso.

    Agora deleitem-se na razão da Palavra e no poder do Espírito Santo e na glória de Abá, o Pai.

    Ámen.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 12:54, Blogger zazie said…

    Pedro,

    Vai levar no cu.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 13:01, Blogger zazie said…

    O teu problema é uma grande dose de ignorância histórica e política.

    Isso de passar tantos anos a decorar versículos não há-de fazer bem à mioleira. Até estás convencido que o Dalai Lama é profeta.

    Se perdesses algum tempo a estudar o budismo até eras capaz de entender as enormes semelhanças com o cristianismo.

    Mas tu preferes chavões. Tu não pensas. Tu limitas-te ao que é mais fácil.

    É mais fácil responderes ao dogma da bondade dos nossos pela validade da religião- o Bush- foi o exemplo porque é o mais relevante para se comparar com o Lama, em termos históricos- com a caricatura da boca de sino e anti-americanismo.

    Quando, se há coisa que nunca suportei na vida, foi precisamente essa K7.

    Estás mal comigo, não decorei nada. Nunca fiz parte de matilhas.

    Quando me apercebo de facciosismos até me dá para saltar fora e ser do contra.

    Foi o que aconteceu aqui. Com este cristianismo até me apetecer ser ateia.

    Para manter a sanidade intelectual e a capacidade teórica, que é coisa que um profissional em versículos nunca conseguirá.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 13:05, Blogger zazie said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 13:07, Blogger zazie said…

    E tu não és burro.

    Tens mais manha que o Nuno mas não és burro. Sabes que ficaste entalado com essa do autismo se resolver dentro da igreja quando ele anda é fora dela.

    E sabes que também ficaste entalado com a gigantesca bacorada do profeta.

    E, politicamente, nem consegues amanhar nada. Porque tentas escapar para a Bíblia como se este post viesse dela e não viesse de um acontecimento mediático e bem político, nos imbróglios da vinda do Dalai Lama.

    Claro que para aí nem consegues ir porque tens de defender primeiro os teus eleitos. A tua seita.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 13:14, Blogger zazie said…

    C'um caraças.

    Peço mil desculpas ao Pedro que estava com outras janelas abertas e troquei as pessoas.

    Quem me respondeu foi o Rambo da Brandoa, não foi o Pedro Leal.

    Retiro o destinatário e aproveito a salientar a mongalhice do pastor rambo.

    Realmente, para vir com anti-americanismos primários e calças de sino, só mesmo de pastor tribal que demarca terreno com mijadela.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 13:15, Blogger João Leal said…

    Desisto, Nuno

    És uma parede intransponível.
    Não consigo ter paciência (culpa minha) para a tua forma de (não) dialogar.

    A nossa conversa termina aqui. Espero que Deus te abençoe.

    1 abraço

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 13:15, Blogger zazie said…

    O Nuno até é bom neste blogue. Só cá faltava um mongo católico para tornar a coisa mais equilibrada, isso é verdade. Mas é útil.

    As caricaturas não são de todo gratuitas.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 13:17, Blogger zazie said…

    abençoadinho anda o gajo em excesso, por muita paciência de alguém.

    Que isto não se nasce assim

    ":O))))

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 13:19, Blogger zazie said…

    Foi mesmo chato a troca e ainda por cima estava aqui o mano que tem pé-de-fora.

    Espero que fique comprovado que eu às vezes nem olho ao nome que vem a assinar o post ou comentário.

    Não é mesmo nada de minimamente pessoal.

    E até vou mais longe, essa história do racismo e xenofobia e outras coisas, também passo. Essa foi a parte da piada na caricatura.

    Ele é provocador e a única questão que se pode tirar daqui é debate teórico, não é abate pastoral.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 13:57, Blogger samuel said…

    Porque será que o tipo de discurso das dezenas e dezenas de "nunos"que conheci, entrecortados de citações "para todo o serviço" e números de versículos, me lembram os textos normalmente enviados pelos psicopatas, feitos de recortes de jornais e revistas, igualmente cheios de ameaças de castigos terríveis e eternos?

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:03, Blogger Nuno Fonseca said…

    João e Zazie:

    Não sei porque insistem nos vossos argumentos ad hominem (http://pt.wikipedia.org/wiki/Argumentum_ad_hominem) e na falácia do homem-de-palha (http://pt.wikipedia.org/wiki/Fal%C3%A1cia_do_homem_de_palha), quando sabem que isso nada faz por vós na validade das vossas premissas.

    Não vos insulto quando discordo de ambos e respondo à luz da Escritura que, segundo a confissão de fé católica-romana, é a Palavra de Deus e a autoridade suma sobre os cristãos. Porque não me refutam ao mesmo nível? Porque têm que caricaturar-me como religioso obtuso e intolerante ao mesmo tempo que me chamam blasfémias e calúnias que na vossa igreja se pagariam com dezenas de avés-marias e pais-nossos? Não desviem o mosquito para engolir o camelo, nem me tirem o cisco do olho com um tronco no vosso.
    E, em suma, se sou vosso inimigo, como aparentemente me consideram, então amem-me.

    Porque eu decerto vos amo. Senão não me daria a comentar os vossos trinta comentários a um post de um parágrafo e um post-scriptum, nem se lembrando que é da Palavra de Deus que tantas vezes se escandalizam que acham no que cito , de novo: cito, escândalo.

    E sim, vou continuar a amar-vos.

    ---------------------------------

    NOTAS:.

    1. Zazie, não sei o que entendes por 'profeta', mas no senso-comum e sobretudo no contexto bíblico, traduz-se em todo o homem que fala sobre Deus e das coisas espirituais:

    'Profeta ou profetisa (do grego: πρoφήτης, prophétes) pode significar a pessoa que é capaz de predizer acontecimentos futuros (veja Divinação); ou ainda uma pessoa que fala por inspiração divina ou em nome de Deus. Aos falsos profetas aplicava-se a pena de morte, na Lei Moisaica' (fonte: wikipédia.org).

    2. Ainda Zazie: vou ter que pedir que me dês exemplos da minha ignorância histórica e política. Como dizes, as tuas caricaturas não são 'minimamente gratuitas' e estou sempre pronto a ser reprovado (Pro9:8), segundo um espírito racional e bem fundamentado, que creio ser o teu.

    3. Deixem o último órgão do sistema digestivo do Pedro em paz.

    4. João, peço que não desistas logo no momento em que me irias alumiar segundo a luz das Escrituras, ou então concordar comigo.
    Em todo o caso, ainda não me esqueci da resposta às tuas perguntas pertinentes sobre a infabilidade bíblica.

    A todos,
    Agape.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:03, Blogger zazie said…

    Essa das "das dezenas e dezenas de "nunos" a ser verdade é que é tremenda.

    As coisas que se aprende na blogosfera. Isto para mim era um mundo totalmente desconhecido.

    E ia jurar que o é para a maioria da população. Ando com curiosidade em perceber se num país protestante e com democracia estável há muito tempo, também haverá disto.

    Não sei. É estranho mas dá-me ideia que há uma explicação social, no que nos toca, que ultrapassa o simples mimetismo com a mongalhada da pastorícia evangélica americana.

    Mas não sei. Quando tiver tempo, ainda hei-de ver se apanho a questão lá fora.


    É que há por aqui um tribalismo de minoria que ultrapassa a questão meramente religiosa.

    Se não fosse religiosa era outra e não é só religiosa. Não é. Eles até podem não se dar conta, mas o factor religioso foi apenas por herança.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:05, Blogger zazie said…

    Nuno,

    Passo. Tens aí montes de tretas que escrevi para responderes.

    Quando o fizeres pode-se dar um intervalo para o versículo.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:07, Blogger Nuno Fonseca said…

    Que perguntas?
    É que a insultos não respondo.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:09, Blogger zazie said…

    Principalmente tenta uma coisa:

    Tenta imaginar que estás no mundo, rodeado por seres humanos e que é com seres humanos que dialogas e pensas.

    Porque um ser humano não tem apenas de ter essa etiqueta de "cristianismo".

    Pensa nisso. Vives no mundo, comes, fodes, vais ao cinema, não és eremita, não vives enclausurado em nenhum mosteiro, não dedicaste a vida apenas a Deus nem a Cristo, inspiras-te na política, no social, não tens desculpa para depois responderes como um misto transgénico de islâmico-rambo com buda em levitação transcendental, a debitar os versículos à manivela. E dizendo que é Deus e Cristo que lhe saem pela boca.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:11, Blogger zazie said…

    respondes pois. A insultos respondes. E respondes com provocações baratas.

    O que não respondes é a tudo o resto e tens aí um testamento de questões políticas, sociais e religiosas para responder.

    Perdi tempo graças a ti. E nem me parece que tenha sido mal empregue. Também tenho as minhas curiosidades sociais.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:21, Blogger Nuno Fonseca said…

    Bom, o blogue aparece etiquetado como sendo um sobre 'religião'. Se o que como e vejo no cinema não vem a propósito, nada direi sobre estes.

    E sim, o cristianismo é única via (Jo14:6). É-lhe inerente: apenas Jesus salva. Quem se diz cristão e não O aceita, contradiz Cristo, e assim não é cristão de todo, apesar do que diga.

    Será uma irresponsabilidade do crente dizer que o cristianismo é só uma via de entre muitas e o que Dalai Lama prega quanto à espiritualidade é certo.

    Que fique claro que amo o pecador, mas odeio o pecado. Que o meu respeito pelo indivíduo em questão é verdadeiro e baseia-se no apreço pela sua integridade. Mas vergar-me perto dele em direcção a Meca ou é hipocrisia, por que não vivo a vida que ele advoca, ou blasfémia, pois desobedeço à devoção exclusiva do Deus de Israel.

    Ainda estou à espera que me indiques as minhas imprecisões históricas e políticas.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:23, Blogger Nuno Fonseca said…

    E já agora, os insultos que respondi com insultos, também.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:27, Blogger zazie said…

    Que engraçado...

    mas já não está etiquetado como religião quando e postam encómios ao Bush, à pena de morte e a outras palhaçadas, porque basta passar a patine do "cristianismo" e dos versículos por cima.

    Tu pegaste no buda ´porque foi acontecimento político.

    E os erros estão aí. Nem de budismo sabes. Nem da ligação teórica com cristianismo- E muito menos percebes a ponta de um corno em relação às enormes variâncias de correntes do islamismo. Porque, bastava perceberes, para te aperceberes que tinhas dito uma enorme bacorada.

    E falaste de política pois. O arroz de caril, a mesquita, a confraria de heréticos a rezarem conjuntos e a sintonia na irmandade terrorista não foi inspirada na Bíblia.

    Tu és ciborg mas dás umas folgas, de vez em quando.

    Também tens as tuas bocas-de-sino encasquetadas nesse sacrossanto tribalismo.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:30, Blogger zazie said…

    ó caralho: volta a ler. Os insultos são todos meus, é a vantagem de saberes que por aí sou mais criativa.

    O que escrevi foi que só respondeste aos meus insultos com uma provocação bacoca de etiqueta de anti-americanismo primário, mais bocas-de-sino e qualquer suposto sintoma de ninfomaníaca apaixonada pelo Bush.

    Foram uma treta comparada com os meus que são mais certeiros.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:41, Blogger Nuno Fonseca said…

    Sei o fundamental do budismo, até porque duas amigas minhas fazem questão de mo lembrar.

    Sei citar o Corão. Em especial, como a pedofilia e o terrorismo é canónicos segundo a Escritura deles.

    Mas nada disso interessa. A premissa de todas as religiões fora do cristianismo é a mesma: Jesus não é o único Deus verdadeiro. Nisto está o erro.

    ----------------------------------

    O que outros escrevem é da responsabilidade deles e cabe a eles responder. Em todo o caso, se vir a propósito do cristianismo, até a Margarida Rebelo Pinto refiro.

    ----------------------------------

    ' (...) falaste de política pois. O arroz de caril, a mesquita, a confraria de heréticos a rezarem conjuntos e a sintonia na irmandade terrorista não foi inspirada na Bíblia'.

    O meu caril funciona como elemento estético e alívio cómico, e bem gosto dele. Aliás, de muita gastronomia oriental -- da israelita e da palestina e arábica: vai ao Joshua Shoarma. Vale a pena.

    Se falas em rezas num templo religioso, então é de religião que falas. Se os religioso em questão ali foram por razões políticas, apenas revelam o seu repúdio a Quem disse : 'A Deus o que é de Deus; a César o que é de César'. Se negam Jesus, logo são hereges sob a perspectiva cristã, que a pessoa que te escreve este comentário crê ser a Verdade, pois nada se lhe obvia que prove o contrário.

    Agora vou bulir, mas respondo caso haja mais questões.

    Beijo Sto.
    Agape.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 14:56, Blogger zazie said…

    ahahaha

    ès mesmo um filho de Abril. O budismo de folclore e o islamismo com pedofilia no século XII. A mesma que era perfeitamente comum em qualquer casamento régio por encomenda.

    Sabes que idade tinha a Rainha Isabel quando o D. Dinis casou com ela?

    ahahahaha

    Pedofilia islâmica e fundamentalismo terrorista. Tal é a ingnorância.

    Ele nem há-de saber o que siginifica fundamentalismo. Os judeus são fundamentalistas e os mais ortodoxos até são opostos à tradução política do fundamentalismo.

    O tribalismo não é bom conselheiro. Tu escreveste sobre um acontecimento político, tal como já o tinhas feito acerca de outro- a ida do Papa ao Brasil.

    Segues os noticiários e não excluis a política. Refugias-te depois nos versículos porque não tens mais nada para onde escapar.

    Essa frase de a Deus o que é de Deus e a César o que é de César não é nada. Qualquer jacobino esquerdalho a papagueia para justificar o ateísmo de estado.

    tu pegas nela porque tens em comum com os jacobinos uma enorme raiva à religião católica e sabes que a tua é minoritária cá.

    Tu reages ao Buda pelo mesmo tipo de paranóias de minorias que reaje o Pedro com a Concordata.

    Acham que privilegiam hereges e que v.s são os verdadeiros puros a quem Cristo segredou ao ouvido antes de morrer.

    O problema é que flashback não bate certo. Só deram por isso no século XVI.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 15:33, Blogger João Leal said…

    pssstt, zazie...

    lembra-o dos salmos "esmagar o meu inimigo" ou das várias mulheres que era permitido ter. Lembra-o de que não há uma única palavra contra o esclavagismo em toda a Biblia. Lembra-o de como Eliseu mandou duas ursas despedaçarem umas crianças por terem gozado com a careca dele...(eh eh eh)

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 15:40, Blogger zazie said…

    já para não falar do incesto entre múmia e filha, carago

    ahahhaha

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 15:45, Blogger João Leal said…

    e, zazie, já agora, para ti

    A Igreja Católica tem sido um cancro terrível para o cristianismo. Quem me dera que a Igreja Católica tivesse sido extinta logo ao principio...raça de víboras, chupistas e politiqueiros responsáveis por tanta miséria ao longo dos séculos (hoje incluído).

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 16:51, Blogger zazie said…

    João Leal;

    Agora para ti: se não fosse a Igreja Católica havia de ser outra coisa por ela. Até serviu, em muitas alturas, para contrabalançar a barbárie de poder político.

    A coisa é bem mais complicada. E depois, há que ser pragmático no meio da fantasia.

    Eu estou-me pura e simplesmente nas tintas para um passado que não posso emendar .Até porque esse passado é feito por gente e o ser humano é que é idêntico, nessa bestialidade.

    E depois, era uma chatice, já viste que se a Igreja Católica tivesse desaparecido nos primeiros tempos o que nos tinha acontecido?

    Ou andávamos a matar touros em cenas mitráicas e maniqueias, ou de cu para o ar a rezar para Meca.

    E nem tinhamos o prazer de estar para aqui à porrada num blogue de católicos e protestantes.

    Ou tu julgas que havia talento intelectual e template tão jeitoso se não fosse esta herança?


    ":OP

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 16:53, Blogger zazie said…

    Meu, o que eu gosto no catolicismo é este não levar a sério a religião.

    Não há trauma. Nem precisamos de recorrer à magia e mais aquela cena das ninfas e das irmandades à Beguina. É tudo História. Já foi tudo sedimentado pelo tempo. O espiritual é bem mais intelectual que outra coisa.

    Os católicos são uns badalhocos que gostam de misturas e não se fazem esquisitos com purezas.

    As purezas é que são o problema da cena. Quanto mais castos, mais puros, mais racionalmente perto da razão, mais perigosos. Porque mais longe da sua natureza. Nem topam que a têm igual nas entranhas.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 17:02, Blogger zazie said…

    E depois, ainda havia um outro problema que fica só aqui entre nós.

    Se o cancro da Igreja Católica tivesse desaparecido nos primeiros tempos, era uma chatice para os intelectuais protestantes.

    É que se o Lutero nem é muito bom de se cheirar, e o Calvino um chato, temos de concordar que apesar de tudo foram bons intelectuais e ainda tiveram o Erasmo que até era genial.

    Agora imagina só os sábios que vs. tinham de citar se a coisa não tivesse chegado ao século XVI.

    Os protocolos do Sião meu, mais o Dan Brown.

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 17:10, Blogger João Leal said…

    zazie,

    falava na IC como instituição. Tenho uma grande curiosidade de como seria o mundo se a Igreja Católica não tivesse andado a mandar em tudo, só isso. É mais do tipo pensar que tipo de cristianismo teria ficado de pé ao fim de dois mil anos...talvez só ortodoxo restasse...quem sabe se um outro tipo, com outro tipo de tradições e dogmas teria vingado...
    Quanto aos católicos e protestantes , acho-os a mesmissima coisa sem tirar nem por. Tenho a ideia utopica de que cada um possa falar do 'seu' cristianismo pessoal, da sua experiência religiosa sem andar a carregar estandartes deste ou daquele.
    É que tens toda a razão, o que anda dentro da tripa é o mesmo...

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 17:13, Blogger João Leal said…

    psssttt, e outra coisa...

    (segredo-te ao ouvido para que eles não oiçam)

    se não houvesse Igreja Católica, não tinha havido protestantismo. Nesse sentido, as igrejas protestantes são seitas, ou seja, algo que derivou da Igreja Católica...

    (mas não o digas alto, que eles não suportam a ideia...)

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 17:21, Blogger zazie said…

    psst, João, diria mesmo mais, foi isso que quis dizer por eufemismo: se não fosse a Igreja Católica eram seitas iguais às demais, mas nunca contes isso ao teu irmão.

    Tu já viste o que era um pastor Rambo do Sião? Mal por mal, antes assim- rambo-coiso-bushiano da Brandoa

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 22:07, Blogger zazie said…

    tinha-me escapado esta:

    «3. Deixem o último órgão do sistema digestivo do Pedro em paz.»

    aahhahahaha

     
  • At 18 de setembro de 2007 às 23:09, Blogger zazie said…

    Fica aqui um link para a comparação de retóricas.
    Ler também comentários.

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 00:29, Blogger samuel said…

    «3. Deixem o último órgão do sistema digestivo do Pedro em paz.»

    Com esta o Nuno ganhou este debate.
    É um momento, este sim, verdadeiramente iluminado.
    Ainda há esperança, enquanto houver humor!

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 01:47, Blogger zazie said…

    Completamente. Ganhou-o e com direito a uma salva de palmas

    ahahahaha

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 04:34, Blogger Antonius Block said…

    Não apoiando o Nuno nos exactos termos em que se expressou, não queria deixar de manifestar uma certa perplexidade que sempre tive no grande interesse que o Ocidente tem por este homem.

    É que fanatismos religiosos à parte, nunca ouvi da boca dele sair algo de especialmente inteligente, espiritualmente profundo ou que fosse além do pacifismo mais ingénuo e fácil (que é muito bonito mas que deve haver paz no mundo e que nos devemos ouvir uns aos outros já toda a gente sabe em abstracto). E mais gravoso ainda é como o colocam como grande líder espiritual do budismo, quando na realidade o Dalai Lama é apenas líder do budismo tibetano, uma das formas mais deprimentemente esotéricas do dito cujo, praticado em regiões tão culturalmente sublimes do extremo Oriente como a Mongólia, o Nepal e a Sibéria.

    Tenho demasiado respeito pelas grandes tradições da espiritualidade oriental (que da Índia, ao Japão passando pela China e pela Coreia nada têm que ver com este homem) para que o possa reconhecer como representante de qualquer outra coisa que não de um povo oprimido que passa por maus lençois (ok, e de uma corrente religiosa com alguma predominância na ásia central mas que em proporção nunca fica muito longe de uma igreja metodista em relação a todo o resto da cristandade). É que não há nele qualquer vestígio das grandes heranças filosóficas chinesas ou indianas, das tradições bramânicas, do taoísmo ou do confucionismo, ou do próprio budismo como ele é praticado pela esmagadora maioria dos seus adeptos da China ao Japão (e que entre outras coisas, não acredita nessa maravilhosa preciosidade doutrinal de um Dalai Lama que alguém escolhe entre os míudos miseráveis das aldeias vizinhas). Basta ver a diferença entre o Dalai Lama e um Gandhi (que nem era um religioso no sentido de ter tomado o hábito). Ele encarna verdadeiramente toda a espiritualidade new age cheia de vácuo, e aí estou 100% com o Nuno quando diz que se anda a dar ouvidos a gente medíocre.

    O que só demonstra o trabalho miserável que andamos a fazer pessoal :P

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 04:38, Blogger Antonius Block said…

    ah esperem, quando fala realmente de coisas doutrinais e religiosas e não de política mundial, saiem pérolas de racionalidade e espiritualidade como esta: http://www.tibet.com/DL/next-reincarnation.html

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 04:43, Blogger Antonius Block said…

    contextualizando um pouco: no budismo tibetano os grandes lamas podem escolher se querem ou não reencarnar, onde, quando e a que horas.

    O governo chinês, com o pragmatismo do materialismo dialéctico e a grande herança russa da pesada burocracia, achou que isso não podia ser feito assim sem papelinho: http://en.wikipedia.org/wiki/Reincarnation_Application

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 05:35, Blogger timshel said…

    contrariamente ao Antonius penso que o Dalai Lama, independentemente da dimensão ou das características específicas do seu budismo, tem sido talvez o líder religiosos que mais tem tentado pontes entre a neurobiologia e a religião

    e se Bento XVI tem também estabelecido enormes pontes intelectuais entre a religiosidade e a filosofia "científica", tenho que admitir que o Dalai Lama tem, indepedentemente do juízo de valor que posso fazer sobre a qualidade das suas intervenções neste debate, metido as mãos no fogo no debate concreto entre a neurobiologia e a religião, a um ponto tal que por vezes quando o leio penso que ele está mais próximo do cristianismo que do budismo esotérico e medieval (utilizando a feliz expressão do Antonius)

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 10:59, Blogger zazie said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 11:01, Blogger zazie said…

    Ó Antonius Bloch:

    Mas quem é que anda a dar ouvidos a gente medíocre apenas por se lhe recusar recepção de Estado?

    Eu tenho de fazer um curso de budismo para fazer uma leitura política das reacções destrambelhadas e jacobinas?

    Eu até te digo mais, nem acredito que haja para aí muita gente a estudar budismo ou saber em que consiste.
    Pela minha parte digo-o já. Praticamente não sei nada.

    E, não era por saber mais ou por saber menos, que me ia converter. Porque nem ele veio cá para converter ninguém, nem os pavores destas reacções tribalistas foram por esse motivo.

    V.s não saem do campo religioso e depois dá isto. Tudo tem de ter apenas uma leitura de fidelidade aos cânones religiosos, se entra religião.
    E não tem.
    E seria bem mais proveitoso ser-se capaz de fazer estas separações.

    Ou então ficar-se pela indiferença, que já nem é nada mau. Agora o tribalismo com récita de versículo é que se dispensa.

    A grande semelhança de argumentos entre o ateísmo militante e esta religiosidade de cânones é que me assusta.

    E isto é para falar com toda a franqueza. Esta moda de querer transformar o Estado num Estado ateu, para se justificar a negação do religioso sim, é que é uma probreza medíocre a que não se devia dar ouvidos.

    E o mais estranho é que ela até já é citada e decalcada por quem se diz cristão. Por facciosismo.

    Tudo tinha de ser separado. Na volta até seria mais prático dividir o Lama ao meio. O Estado recebia a metade social, os hereges a religiosa e os puristas (evangélicos e exegéticos) ficavam cá fora, à espera, com as pedras na mão.

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 11:07, Blogger zazie said…

    Já agora: por causa dos malefícios da teocracia e mais da exploração das crianças budistas, que tal uma intervenção democratizadora para lhes ensinar as superioridades da nossa civilização ocidental?

    Dizem que não têm petróleo, mas nunca se sabe.

    Além do mais aquilo deve ser um antro de pedofilia.

    De caminho, podiam pensar nestes detalhes em relação aos papuas da Nova Guiné e restantes primitivos do planeta. Atapete-se tudo à imagem do que mais apreçam.

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 11:26, Blogger zazie said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 11:28, Blogger zazie said…

    Mas a frase que eu gostei mais da exegese teórica dos new ages e outras tretas que nem vinham ao caso e que são mesmo assim, modas sociais, foi esta:

    «O que só demonstra o trabalho miserável que andamos a fazer pessoal :P »

    O que faz falta ao mundo são os grandes educadores. Católicos ou cristãos, tanto faz.

    Vendo bem, há alguma razão nesta auto-crítica: o proselitismo ecuménico sempre foi um imperialismo...

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 11:32, Blogger zazie said…

    É é claro que todo o imperialismo é um totalitarismo.

    Percebe-se o motivo pelo qual o governo chinês até já acha que deve meter o bedelho no que toca a reencarnações.

    O que não se devia perceber era a empatia com esse abuso.

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 19:34, Blogger Antonius Block said…

    zazie,

    ele é tido como grande autoridade religiosa e se é ouvido é muito mais nessa qualidade (admitamos que se não houvesse um fascínio pelo budismo tibetano a comunidade internacional se estava nas tintas para a causa tibetana, como está para com Taiwan por exemplo). Queres que se considere uma grande dimensão política que nunca existiria não fosse ele antes demais uma figura religiosa. Ou conheces algum líder tetcheno a receber as mesmas honras?

    Eu não me pronunciei sobre a visita dele, porque no que à visita diz respeito concordo contigo. Mas a nossa diplomacia é a mediocridade que já se sabe, não existindo qualquer visão para o país nem quaisquer princípios morais ou éticos. Eu não falei da visita dele aqui, apenas me lembrei da figura em geral e de como ela é considerada no Ocidente. Porque isso é que aqui a questão religiosa é que é basilar, a suposta questão política que muitas vezes evocas (e com razão) aqui é extremamente secundária, ou melhor dito, é uma consequência (sendo claro que também é conveniente ao Ocidente devido ao pavor generalizado que existe da China).

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 19:37, Blogger Antonius Block said…

    e não existe qualquer empatia com o abuso. Estou 100% a favor da causa tibetana. Repito, eu não falei da causa tibetana. Falei do homem em si.

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 19:44, Blogger Antonius Block said…

    e não se trata de nenhum tribalismo, antes pelo contrário. É porque respeito e considero muito as tradições orientais é que questiono o representante que escolheram. É que não falam de mais nenhum outro líder espiritual do Oriente.

    É como se pegassem no líder da Southern Baptist Convention (comparação provocatória :P) para falar em nome de toda a cristandade. O que estou a pôr aqui em causa é a escolha da figura e o fascínio superficial e new age pelo budismo tibetano. A causa política do Tibete é outra coisa, com a qual estou solidário e na qual o Dalai Lama se tem revelado exímio a defender com todo o humanismo possível.

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 19:55, Blogger Antonius Block said…

    mas ok, admito que tenha sido uma entrada intempestiva, agressiva e pouco ponderada.

    E admito que ando cansado e cheio de outras coisas para fazer e tese para acabar, e que o comentário foi muito mais um desabafo em que o homem serviu de bode expiatório, sendo que nada me poderia mover pessoalmente contra o dito cujo. Não me apeteceu sequer aplicar alguma inteligência aos comentários.

    O que me lembra que já não me confesso há uns tempos largos e consequentemente caio que nem um patinho nesta referência do Graham Greene:

    "many of us abandon confession and communion to join the Foreign Legion of the Church and fight for a city of which we are no longer full citizens".

    Vou retemperar-me com o Corpo de Senhor e faço votos de voltar um pouco menos tribalista. Há dias em que o sentimento tribal nos sabe tão bem... :P

     
  • At 19 de setembro de 2007 às 21:07, Blogger zazie said…

    Não tinha reparado que respondeste aqui e respondi no outro.

    Terás razão porque, de facto, não te pronunciaste acerca da visita.

    De certo modo, aconteceu o mesmo com o Nuno. Eu é que sou um tanto do contra, quando me parece que se está a ir para o secundário.

    Por exemplo: no meio de um debate acerca da igreja católica, no Portugal Contemporâneo, também mandei umas bocas ao citar o pacifismo budista como mais folclore autista e até disse pior, que pelo menos, com aquela postura sentada não deviam ter bicos de papagaio.

    Mas disse isto, sem me lembrar do Lama, foi mesmo fora de tudo e apanhei logo com uma boa dose de ensinamento budista (e com razão se eu estivesse a falar a sério, mas estava mais a gozar) e com outra política e aí é que associei à vizita do Lama.

    Mas aqui, em post, está visto que foi mais uma estocada a tudo o que não é dos nossos, como no caso do Papa e do nazismo.
    .........

    O resto foi falta de entendimento do que se falava. Eu nunca dei grande importância ao Lama, sempre me pareceu mais coisa para artista de Hollywood mas isso é ignorância minha na matéria.

    Apenas reagi à troça dos hereges colaboradores de possível terrorismo e do falso profeta. O homem não veio cá profetizar nada.

    Bom trabalho para a tese e olha que o tribalismo não era contigo, era com o Nuno.

    O que achei descabido foi a justificação da intromissão do Estado na reencarnação dos tipos.

    A menos que seja pretexto para qualquer desratização.
    .........

    Só para terminar. A figura não foi escolhida agora nem acompanha o folclore new-age que já teve o seu tempo. A figura do Lama é política e foi na ìndia, com o Gandhi que se tornou personagem mundial. Não foi com Katmandu dos hippies e muito menos com estas macacadas pós-modernas de aeróbicas brasileiras.

    Mas isto sou a falar na minha total ignorância e pé atrás por tudo o que me parece fora da nossa compreensão histórica.

    Ou por burrice e sempre ter embirrado com incenso e harakrishnas que depois acabaram nos trotskistas e que, hoje em dia, nem têm expressão política.

    As causas fracturantes tomaram conta de apagar a ecologia, como é que ainda havia de sobrar para o new-age?

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 
Um blogue de protestantes e católicos.
Já escrito
Arquivos
Links
© 2006 your copyright here