segunda-feira, julho 09, 2007
Da consciência

E quando a nossa consciência é basicamente momentânea? (que é caso para dizer, quase sempre) Antonius Block

Permito-me discordar meu caro Antonius.
E peço perdão por só agora ter tempo, já havia visto as tuas objecções, mas só agora deu…
É então assim: a nossa consciência é momentânea no sentido de que o momento é tudo.
Nunca se vive no passado ou no futuro, mas agora! já!...
Contudo, noutro sentido mais fundamental, a consciência não é momentânea, isto é, o momento presente engloba todo o meu passado e esse passado está presente agora em todo o meu ser.

Quer isto dizer que ser consciente implica duas coisas essenciais, a saber, memória e reflexão; sem memória não há consciência, quando muito um vago e nebuloso sonho animal (os animais terão uma ténue consciência); e sem introspecção do eu também não existe verdadeira consciência, só uma mecânica.
Quer isto dizer também, que a consciência é como a corrente de um rio, não podemos isolar instantes e todo o instante antecedente se engloba total e permanentemente no presente (prenhe do futuro).
Enquanto ser consciente, tu és agora, tudo o que já foste.
Leia-se então o incontornável Bergson:
“Não é possível reduzir a duração da consciência ao tempo homogéneo de que fala a Ciência, o qual é constituído por instantes iguais que se sucedem.O tempo da Ciência é um tempo especializado que perdeu por isso o seu carácter original.…Todos os estados de consciência se unificam na fluida corrente da consciência, da qual não se podem distinguir a não ser por um acto de abstracção, e o tempo é, na consciência, a corrente da mudança, não é uma sucessão regulada de instantes homogéneos.”
(Henri Bergson, Essai sur les donnés imediates de la conscience 1889)
cbs
posted by @ 11:37 da tarde  
5 Comments:
  • At 10 de julho de 2007 às 00:12, Blogger Antonius Block said…

    Caro cbs,

    Eu percebi a fragilidade da pergunta e por isso é que deixei novo comentário. Mas tu próprio me percebeste quando dizes que:

    "É então assim: a nossa consciência é momentânea no sentido de que o momento é tudo."

    Além disso, reportava-me à consciência no sentido estrito de dever moral, de distinção entre o Bem e o Mal. Deparados com escolhas imediatas, há uma decisão a fazer que nem sempre se pode dar ao luxo de estar apoiada numa profunda reflexão anterior a esse momento. O que não quer dizer que tudo o que tenhamos sido anteriormente não culmine nesse momento fundamental de decisão moral. Mas culmina de forma misteriosa e muitas vezes de forma bem longe de ser consciente. Era a isso que me referia.

     
  • At 10 de julho de 2007 às 00:42, Blogger samuel said…

    Para tentar descomplicar:
    Quando vemos um morango e decidimos que o vamos comer, não necessitamos de passar em revista todas as imagens de frutos que temos na memória, para decidirmos que aquilo é de facto um morango, nem "revisitar" o arquivo dos milhares de sabores que guardamos, para saber se gostamos de morangos.
    Toda essa informação está disponível, em cada momento e de forma instantânea. A unica coisa a decidir é querer ou não querer comer o bendito morango e se isso nos é "permitido".
    Aquilo que nos pode obrigar constantemente a reflectir e reflectir e ainda outra vez aprofundadamente reflectir, é a indecisão, ou a parcial ou completa ignorância sobre aquilo que temos que decidir.
    Com essa base de dados bem organizada e actualizada (ir aos treinos), podemos de facto viver como se a vida fosse efectivamente uma simples sequência de momentos.
    Ah, e quando não se trata de morangos, o princípio é exactamente o mesmo. Não me parece que existam coisas muito mais complexas e maravilhosas no seu mistério, do que um fruto, uma flor, um gesto para com alguém... até o bem e o mal.

     
  • At 10 de julho de 2007 às 01:49, Blogger cbs said…

    certo Antonius...
    certo Samuel...
    mas Samuel, por vezes as escolhas são mesmo difíceis.
    Nessas alturas é que vem ao de cima o "ter ido aos treinos", que no caso significa "ter reflectido" antes e ter princípios anteriormente definidos; aqui julgo que se ajusta muito bem o "imperativo categórico" de Kant, cumprir o dever custe o que custar.

     
  • At 5 de outubro de 2016 às 08:51, Blogger Hua Cai said…

  • At 23 de novembro de 2016 às 01:11, Blogger xjd7410@gmail.com said…

Enviar um comentário
<< Home
 
 
Um blogue de protestantes e católicos.
Já escrito
Arquivos
Links
© 2006 your copyright here