quinta-feira, maio 24, 2007
O Antero Canónico.
Para evitar que também Antero de Quental seja censurado pelo santo lápis azul e negacionista, ou rescrito pela mão inquisidora do revisionismo histórico, ou até rasurado por transleituras da sua lírica melíflua e cristalina, seguem-se excertos do seus discurso nas Conferências Democráticas de 1871, entitulado Causas da Decadência dos Povos Peninsulares nos Últimos Três Séculos. Digno de nota é que se o intelectual açoreano fosse bloguista no Trento na Língua, seria, decerto, ameaçado de expulsão, por articular os seus pareceres com factos, e por textuar as suas ideias com declarações afirmativas, objectivas. Longe de relativizações e subtilezas.

Sobre o catolicismo:
'O catolicismo do Concílio de Trento não inaugurou certamente no mundo o despotismo religioso: mas organizou-o duma maneira completa, poderosa, formidável, e até então desconhecida'.

'O cristianismo é sobretudo um sentimento: o catolicismo é sobretudo uma instituição. Um vive da fé e da inspiração: o outro do dogma e da disciplina. Toda a história religiosa, até ao meado do século XVI, não é mais do que a transformação do sentimento cristão na instituição católica'.

Sobre o protestantismo:
'Destas reformas saía naturalmente a humanização gradual da religião, a liberdade crescente das consciências, e a capacidade para o cristianismo de se transformar dia a dia, de progredir, de estar sempre à altura do espírito humano, resultado imenso e capital que trouxe a Reforma aos povos que a seguiram'.

'Contraste significativo, que nos apresenta hoje o mundo! As nações mais inteligentes, mais moralizadas, mais pacíficas e mais industriosas são exactamente aquelas que seguiram a revolução religiosa do século XVI: Alemanha, Holanda, Inglaterra, Estados Unidos, Suíça. As mais decadentes são exactamente as mais católicas! Com a Reforma estaríamos hoje talvez à altura dessas nações; estaríamos livres, prósperos, inteligentes, morais... '

Quando se citar génios das letras lusas, haja certezas que os seus intelectos não se insurgiram contra Roma, como a maioria dos poetas de panteão mostraram. Peço, em especial, que não se mencione Pessoa, porque o grosso das suas considerações sobre a Santa Sé usa de muita linguagem explícita, e eu já me perfilo um Pedro suburbano com saque de espada impulsivo e demasiado passional.

Nuno Fonseca
posted by @ 3:28 da tarde  
21 Comments:
Enviar um comentário
<< Home
 
 
Um blogue de protestantes e católicos.
Já escrito
Arquivos
Links
© 2006 your copyright here