sábado, fevereiro 16, 2008
tentando viver como cristão?
"O Anticristo pode nascer da própria piedade, do excessivo amor de Deus ou da verdade, como o herege nasce do santo e o endemoninhado do vidente. Teme, Adso, os profetas e aqueles que estão dispostos a morrer pela verdade, que de costume fazem morrer muitíssimos com eles, frequentemente antes deles, por vezes em seu lugar. Jorge cumpriu uma obra diabólica porque amava de modo tão lúbrico a sua verdade que ousava tudo com a condição de destruir a mentira. Jorge temia o segundo livro de Aristóteles porque ele ensinava talvez a deformar deveras o rosto de toda a verdade, a fim de que não nos tornássemos escravos dos nossos fantasmas. Talvez a tarefa de quem ama os homens seja fazer rir da verdade, fazer rir a verdade, porque a única verdade é aprender a libertar-nos da paixão insana pela verdade."
"O Nome da Rosa", Umberto Eco (tradução de Maria Celeste Pinto, Edição Difel, pags. 485 e 486)

"Só saberá ser cristão quem assumir a ressurreição como uma superação de todos os limites. Talvez assim a fasquia esteja mesmo alta demais. Mas não é de todo inatingível. Porque cada pequena conversão antecipa, em pequena escala, a ressurreição plena.
Talvez o mais importante seja saber para onde vivemos voltados.
Talvez que se possa viver um cristianismo aceitável com uma prática quotidiana de vivência dos princípios cristãos, no respeito do princípio da proporcionalidade, e em que cada pequena conversão antecipa, em pequena escala, a ressurreição plena.
Recordo-me de um princípio comunista: "De cada um segundo as suas capacidades a cada um segundo as suas necessidades".
Talvez o termo "capacidades" signifique também a capacidade de dar, a capacidade de partilhar, a capacidade de amar.
Talvez que o que se exige de um cristão seja, apenas e tão somente, dar, partilhar e amar um pouco acima das suas capacidades de dar, partilhar e amar.
É uma visão prosaica do cristianismo? Sem dúvida."
(eu, citando outros, há uns tempos atrás na Terra da Alegria, no post em que iniciei a minha colaboração nesse blogue)

timshel
posted by @ 10:44 da manhã  
13 Comments:
  • At 16 de fevereiro de 2008 às 11:54, Blogger samuel said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 16 de fevereiro de 2008 às 12:36, Blogger cbs said…

    "Talvez o mais importante seja saber para onde vivemos voltados", diz nesse post que citas o Tolentino.
    é o que acho...
    Jesus indica a direcção -isto é, a antítes fundamental entre bem e mal - e o sentido para onde voltar a vida - isto é, o Amor que nos deixou.

    tudo o resto parece-me um bocado treta, porque se a direcção for aceite, o sentido seguido, tudo se resolve; ao contrário tudo se complica.

     
  • At 16 de fevereiro de 2008 às 13:50, Blogger Luís said…

    E pronto lá começamos com este "mambo jambo" do costume que é muito bonito e etéreo mas que na verdade significa pouco ou nada. Para um cristão amar É viver de forma diferente. E as coisas de que falei deviam ser o mínimo, sim o mínimo. Não há volta a dar por mais rétorica bonita que lhe queiram pôr em cima. Começam logo com parvoíces contra um suposto puritanismo que nunca tive (caramba é só olharem para outras coisas que já escrevi aqui) e com uma conversa de meias-tintas muito sapientes que não levam a lado nenhum.

    É que senão isto é a total hipocrisia. Pregar coisas que depois NINGUÉM cumpre já está para lá da simples natureza insuficiente da nossa condição humana que sempre assumi na nossa Igreja. Já é hipocrisia, já é fariseísmo do pior.

     
  • At 16 de fevereiro de 2008 às 13:51, Blogger Luís said…

    E claro que só estando virados para Jesus Cristo é que somos capazes de assumir compromissos radicais. Mas também não nos iludamos, só assumindo compromissos radicais é que estamos realmente virados para Jesus Cristo. O resto é conversa.

     
  • At 16 de fevereiro de 2008 às 14:07, Blogger timshel said…

    "E as coisas de que falei deviam ser o mínimo, sim o mínimo"

    Que coisas?

     
  • At 16 de fevereiro de 2008 às 14:20, Blogger Luís said…

    Viver de acordo com os preceitos da Igreja. Viver uma vida casta (quer casados, quer solteiros), frequentar os sacramentos, orar com frequência.

    Repara eu não tenho ilusões (seria parvo e isso sim puritano) de que não houvesse transgressões e que eu próprio não transgrido. Essa é a nossa condição e Deus tenha piedade de nós. A questão nem é essa. A questão é de que o sentimento geral dessiminado entre nós é de completo alheamento deste estilo de vida na grande parte das vezes. É o clima geral que é completamente adverso, é o facto de nem sequer se tentar condignamente viver essa vida e partir logo para o ataque "das normas". Que se tente e se falhe, caramba isso é humano e Jesus está lá para nos levantar de novo. Mas nem sequer tentar, nem sequer haver esse ambiente nas nossas comunidades de quem se esforça para viver de acordo com a vida de Jesus, isso é trágico.

     
  • At 16 de fevereiro de 2008 às 14:33, Blogger timshel said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 16 de fevereiro de 2008 às 14:35, Blogger timshel said…

    Luís

    penso que estamos a dizer o mesmo :)

    foi aliás esse o sentido do meu post anterior sobre o casamento católico enquanto folclore e estatuto

    no que respeita aos sacramentos, embora reconheça a sua importância axiológica, hesito lhes em dar outra importância de maior, nomeadamente quando se traduzem em imperativos que se referem por vezes a circunstâncias independentes da vontade das pessoas

     
  • At 16 de fevereiro de 2008 às 14:47, Blogger cbs said…

    mambo jambo, lol

    mas Luis, "Pregar coisas que depois NINGUÉM cumpre" é capaz de ser franco exagero.
    Percebo que te amofines com a falsidade de pregar uma coisa e fazer outra, mas na verdade muita gente cumpre grande parte das "coisas" pregadas pela Igreja, estou convencido disso. E já agora, temos os católicos deste blog como exemplo, eu sou o pior, e cumpro muita "coisa".
    Não chega... bom, mas reconhecê-lo é um passo. Não vale a pena exagerar, porque a imagem que os nossos amigos Tiagos dão é de uma balda total, que não é verdade.

     
  • At 18 de fevereiro de 2008 às 09:17, Blogger David Cameira said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • At 18 de fevereiro de 2008 às 09:19, Blogger David Cameira said…

    " Recordo-me de um princípio comunista: "De cada um segundo as suas capacidades a cada um segundo as suas necessidades"".

    Comunista? não séria antes salazarista? é que o Salazar, se não estou em erro, por vezes dizia isso e doutras vezes dizia: " Os que podem aos que precisam "

    A sério, a minha dúvida é genuina.

     
  • At 18 de fevereiro de 2008 às 21:16, Blogger cbs said…

    Caro David
    creio que não original, mas o enunciador mais famoso foi de facto Karl Marx (outro dos filósofos da suspeita, com Nietzche, já agora :)

    tenho atão o prazer de te recomendar este post: http://timoteoshel.blogspot.com/2006/05/rerepost-rawls-marx-e-o-princpio-de.html

     
  • At 18 de fevereiro de 2008 às 21:17, Blogger cbs said…

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
Enviar um comentário
<< Home
 
 
Um blogue de protestantes e católicos.
Já escrito
Arquivos
Links
© 2006 your copyright here